terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O gato malhado e a andorinha Sinhá


Acabei de ler "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá"


Não me recordo de ter lido na infância. Tanto melhor, porque não creio que seja para crianças. Talvez para os pais contarem a seus filhos. Talvez pequena tenha assistido alguma encenação sobre o livro, ou apenas imaginei que a assisti à medida que o li, não sei. Só sei que a história foi lindamente encenado na minha cabeça. Livro delicioso! Literatura de primeira. Mas há que se ter a malícia e a sensibilidade poética para desfrutá-lo por inteiro e assim amar Jorge.
Desfrutemos destes pequenos trechos que escolhi a dedo:


" Desejo dizer que há gente que não acredita em amor à primeira vista. Outros, ao contrário, além de acreditar afirmam que este é o único amor verdadeiro. Uns e outros têm razão. É que o amor está no coração das criaturas, adormecido, e um dia qualquer .... De repente... desperta de seu sono à inesperada visão de um outro ser. Mesmo se já o conhecemos, é como se o víssemos pela primeira vez e por isso se dia que foi amor à primeira vista."


"Juntos... encontraram recantos deliciosos, descobriram novas nuances de cor nas flores, variações na doçura da brisa, e uma alegria que talvez estivesse mais dentro deles que mesmo nas coisas em derredor... Porque – eu vos digo – temos olhos de ver e olhos de não ver, dependendo do estado do coração de cada um."


" A poesia não está somente nos versos, por vezes ela está no coração, e é tamanha, a ponto de não caber nas palavras."


Ai, ai! Jorge... sempre e muito Amado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário